Testes em Animais

 

Anualmente mais de 100 milhões de animais (coelhos, ratos, sapos, cães, gatos, macacos e peixes) são mortos em laboratórios pelo mundo para uso em aulas, pesquisas e testes. Levantamento feito pela Peta - People for the Ethical Treatment of Animals.

 

Infelizmente algumas empresas ainda praticam essa crueldade imensa conhecida como Teste em Animais.

 

Para todo produto que é disponibilizado para consumo humano é necessária uma análise de toxicidade das substâncias de sua composição. Cosméticos, produtos de limpeza, substâncias químicas, pesticidas, herbicidas, fertilizantes, aditivos alimentares (corantes, aromatizantes, conservantes, etc), equipamentos médicos, produtos que emitem radiação (celulares, fornos de micro-ondas, etc.). 


Por questões de comodidade, economia, recebimento de incentivos ou outro motivo torpe, muitas vezes os animais são submetidos a testes extremamente dolorosos, sem qualquer tipo de anestesia (para não interferir nos resultados). Os animais são obrigatoriamente contidos, amarrados e presos em caixas, pois se debatem e tentam a qualquer custo evitar que os testes sejam realizados neles, pois são extremamente invasivos e dolorosos. 


Vale lembrar que em sua grande maioria os testes são ineficazes e não confiáveis, pois os animais e suas estruturas genéticas são diferentes dos seres humanos. 

 

PRINCIPAIS TESTES


Teste de irritação dos olhos: Serve para medir a ação nociva de ingredientes químicos encontrados em produtos de limpeza e cosméticos. Os coelhos são os mais utilizados, pois são baratos, fáceis de manusear e seus olhos grandes facilitam a observação dos resultados. Os produtos são aplicados diretamente nos olhos dos animais, conscientes e sem qualquer anestesia. Seus olhos são mantidos permanentemente abertos através de clipes de metal que seguram as pálpebras. As dores são tão fortes que os animais são mantidos presos em caixas, mantendo apenas suas cabeças para fora, para evitar que arranquem os próprios olhos. Entre as reações observam-se inflamações das pálpebras e íris, úlceras, hemorragias e até mesmo cegueira.  

Teste Draize de irritação dermal: Com o animal imobilizado sua pele é raspada e ferida com uma fita adesiva que é pressionada e arrancada violentamente, diversas vezes, até que a pele do animal fique em carne viva. Então, substancias são aplicadas sobre as feridas. Entre as reações observam-se sinais de enrijecimento cutâneo, úlceras, edema etc.

Teste LD 50: (dose letal 50%). Usado para medir a toxicidade de certos ingredientes. Cada teste LD 50 é conduzido por alguns dias e utiliza algo em torno de 200 ou mais animais. Os animais são forçados a ingerir determinada quantidade de alguma substância através de sonda gástrica. O objetivo é encontrar a quantidade (concentração) da substância que levará metade dos animais à morte. Os animais são expostos a quantidades exorbitantes da substância, impossíveis de serem ingeridas acidentalmente por algum ser humano. Administram o produto até que 50% dos animais do grupo morra. Entre os efeitos observam-se dores angustiantes, diarreia, convulsões, sangramento nos olhos e boca, lesões pulmonares, renais e hepáticas, coma e morte. Muitas vezes ocorre a morte por perfuração. Os animais que sobrevivem aos estudos são sacrificados.   

 

Além dos testes citados, há diversos outros cruéis e dolorosos testes.

 

MÉTODOS SUBSTITUTOS

 

Atualmente há diversas formas de garantir que um produto seja seguro para consumo humano:

 

- Produção artificial in vitro - células e tecidos são criados artificialmente para estudo e manipulação.

- Episkin- pele humana reconstituída in vitro para avaliação de corrosividade para cosméticos e componentes químicos.

- Relação química de estrutura-atividade computadorizada (SAR) e sistemas de base de dados especializados permitem que se preveja a eficácia e a segurança/toxicidade de novos compostos.

- Epiocular- tecido de diversas camadas derivado de células humanas, reproduzível, para testar irritação ocular de químicos e outros materiais.

- Epiderm- é um tecido reproduzível, tridimensional, derivado de células epiteliais humanas para estudos de irritantes e corrosivos.

- Teste Ames- utiliza classes específicas de bactérias comuns para detectar mudanças genéticas causadas pelas substâncias em teste – possibilidades de mutagênese e carcinogênese.

- A Toxicogenômica utiliza chips de DNA para identificar padrões de mudanças genéticas característicos de endpoints de toxicidade específicos. Irá substituir praticamente todos os testes baseados em animais.

 

Além da dor e crueldade decorrente do teste em si, os animais dos laboratórios vivem confinados em espaços minúsculos, praticamente sem contato com a luz do sol, longe de suas famílias e qualquer contato ou manifestação de carinho. Além da dor física esses animais vivem sob medo, pavor, stress, depressão e tensão psicológica. Uma verdadeira tortura!

 

Todos os animais submetidos a testes não sobrevivem. Muitos morrem no decorrer dos testes, e os demais são sacrificados para estudos ou descarte de seus corpos. 

 

Animais sentem dor, medo, depressão, stress e outras coisas que nenhum ser vivo deve ser submetido. 

 

Pequenas mudanças em nossas vidas podem fazer a diferença e salvar a vida de diversos animais.

 

Repense. Evolua. Não use produtos testados em animais! 

 

Fontes: 
- Instituto Nina Rosa - Projetos por Amor à Vida;
- Pea - Projeto Esperança Animal.  

Sobre a loja

A Neo Kosmos Produtos do Bem é uma loja virtual exclusiva de marcas que não testam em animais. Temos produtos naturais, orgânicos, veganos e não testados em animais. Juntamos em um só lugar alimentos funcionais, suplementos, cosméticos e limpeza, trazendo mais conforto e praticidade na hora das compras. Acreditamos que um estilo de vida saudável com o uso de produtos ecológicos, sustentáveis e livres de crueldade, é capaz de fazer a diferença na vida das pessoas, dos animais e do planeta como um todo!

Pague com
  • PagHiper
Selos

NEO KOSMOS PRODUTOS DO BEM LTDA EPP - CNPJ: 19.962.194/0001-34 © Todos os direitos reservados. 2019